Sustentabilidade e moda: reflexões de um mercado e suas tendências 

Publicado em 20 de agosto de 2020

*por Ana Sudano

A indústria da Moda é importante, ampla e complexa, mas está enraizada em práticas de eficiência e qualidade duvidosas, além de toda uma estrutura social que compõe essa bolha que blinda vozes, fazeres e até a luz de quem ousa romper essa delicada película do famoso “bom gosto” de quem “pertence” a esse universo ou não.

Sob a lente da sustentabilidade, falamos de processos produtivos, roupas e pessoas. Falar de “moda sustentável”, em muitos casos, serve apenas para consolidar estruturas de poder e domínio estético tão antigas quanto essa indústria. Trata-se de uma busca pessoal/coletiva de se viver em harmonia, em uma sociedade consciente e atenta ao futuro da humanidade, que respeita suas diferenças culturais e vibra no campo planetário e não apenas nas pequenas bolhas sociais! 

Painel Certificações Sustentáveis para a Moda

BEFW 2018 – Painel Certificações Sustentáveis para Moda com Pedro Ruffier (Movin) , Larissa Duarte (Pesquisadora Têxtil USP) , Mariana Amaral (Etiqueta Certa) e mediação por Ana Sudano (BEFW e Senac).

Diante disso, o termo Sustentabilidade, ganha espaço na mídia, no discurso político, na comunicação empresarial, por meio de temas como aquecimento global, consumir com consciência, slow fashion, moda sustentável, adotar “ações verdes”. Menos sacolas plásticas, não a copos descartáveis, canudos, não ao desperdício de água. Uso de energias renováveis e a importância crescente da ecoeficiẽncia nos ambientes… 

Será que a pauta crescente leva o indivíduo a refletir sobre seus hábitos de consumo, ou apenas propõe uma lista de tarefas que só serão cumpridas caso não prejudiquem esses mesmos hábitos?

A sociedade é uma realidade dinâmica e problemática, onde produzir para todos os seres humanos se tornou um problema maior para os diversos recursos que a natureza nos oferece — tão fundamentais para o presente e para o futuro dessa mesma humanidade que os destroem e os torna escassos. Sustentabilidade tem como foco garantir a continuidade do mundo. Isso leva os bem intencionados a provocarem o mercado, instituições e autoridades para o debate e para uma tomada de decisão. Assim espero, pelo menos.

Como otimista que sou, acredito na adaptação humana, na nossa capacidade de sobreviver e principalmente na renovação de valores que só o tempo nos traz. Totalmente imersa neste contexto, vou criando estratégias mil com o objetivo de aumentar a conscientização sobre o verdadeiro custo humano e ambiental por trás da indústria da moda. Atenta ao seu impacto em todas as fases, desde o processo criativo, de produção até o consumo e pós-consumo. 

Percebo números empolgantes em termos de adesão à causa, e envolvimento das pessoas com eventos em todo o país e maior participação online, buscando inovação e transparência das marcas consumidas. A geração de conteúdo educacional e inspiracional é uma meta, e ver isso se ampliando no trabalho e nas vozes de outrxs é muito gratificante.

Somos uma rede que se fortalece a cada dia e cresce por mãos voluntárias trabalhando em campanhas por todo país. Estou entre as vozes populares que ganham força e buscam transformações que realmente gerem impacto positivo em suas vidas e na vida das outras pessoas.

Painel Quando a Moda Sustentável Fura a Bolha

BEFW 2019 – Painel Quando a Moda Sustentável Fura a Bolha e alcança Novos Públicos com Lia Spínola (Instituto Ecotece), Steh Ramos (Remodelar e Costurando Sonhos) e Ana Sudano (BEFW e Senac).

Atualmente, todos buscam uma causa para chamar de sua…. enquanto que a sustentabilidade se apresenta como uma pauta urgente e necessária, e acima de tudo, de todes! Cada vez mais demonstramos que não somos uma mera tendência fashion, uma geração com idéias passageiras, e, sim, parte do amadurecimento de uma indústria têxtil e de confecções que busca valor no produto nacional, valoriza sua mão de obra e se faz próspera para todos os envolvidos. 

Acredito que aproximar os agentes sociais da categoria dos profissionais de moda pode resultar em colaboração. Juntos podemos estimular a criação de políticas públicas para que o desenvolvimento humano de qualidade promovam habilidades importantes para uma sociedade feita de redes de relacionamentos. 

Já que somos organizados pelo consumo, por que não fazer do próprio consumo uma ferramenta de transformação? 

Juntos, fazemos desse setor da indústria criativa uma grande representante do PIB nacional, consumindo, criando, inovando, resgatando saberes tradicionais, através da beleza, gerando renda e capacitação. Destaco os empregos gerados para as minorias femininas trabalhadoras, arrimos de família por todo o mundo. Trazer mais visibilidade para as boas práticas produtivas e buscar mais amparo legal me motiva a seguir trabalhando para ampliar o discurso sobre a sustentabilidade, buscando facilitar o diálogo entre consumidores e fornecedores. 

Grama_Ana_Paula_Sudano

Ana Paula Sudano em desfile da sua marca Grama no Brasil Eco Fashion Week- 2018

Nessa área de assuntos, a apuração de dados fundamentados em fatos reais e científicos torna-se imperativa, não cabem achismos de grupos, é importante ativar a ação em prol do desenvolvimento humano pelo respeito e trabalho para a harmonia da pluralidade que somos. 

Um estudo do Barômetro de Confiança da Edelman feito em 2017 revelou a maior queda de todos os tempos na confiança em instituições, incluindo governos, empresas, mídia e organizações não governamentais. Será que estamos caminhando para uma sociedade de cidadãos mais conscientes? Mais autônomos em suas idéias e ideais? Torço sinceramente por isso, por uma sociedade mais ética e emancipada. 

Cocriar, colaborar, compartilhar, ressignificar, inovar, são as palavras da moda, e sempre me pergunto a partir da minha observação para o mundo, o que de fato estamos compartilhando e vivendo realmente? Que sociedade sonhamos hoje para o nosso entorno? Você é um exemplo do que acredita? Você vive o que acredita?

A sofisticação tecnológica, a globalização da economia, a re-institucionalização do trabalho, os novos modelos familiares, a fragmentação da produção, a dinâmica social das identidades, o multiculturalismo ou acesso a comunicação trouxeram benefícios e riscos. A busca urgente pela sustentabilidade, é uma questão do século XXI, onde a problemática é globalizada, assim como a pandemia e a Covid-19. Ao refletir e agir em prol da sustentabilidade, a sociedade está discutindo sua própria emancipação, sua própria competência em viabilizar o futuro! 

Eu sigo humilde, otimista, vivendo as prioridades do dia, um de cada vez…. E você?

*Ana Sudano é estilista, empreendedora, professora no Senac e coordenadora criativa do Brasil Eco Fashion Week.

 

Photo miniatura capa Markus Spiske from Pexels

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.